"(...) -Como eu gosto de você?

Eu gosto de você do jeito que você se gosta".

O Mundo no Engenho... e o ENGENHO do Mundo

sábado, 24 de dezembro de 2011

A Natureza de um sacrifício: Jesus símbolo ou exemplo?

 Foto / edição - Natal 2011.

Estamos novamente próximos à comemoração cristã do Natal. O possível nascimento de Cristo ou apenas a sua data simbólica -  25 de dezembro -, deveria ter impresso fundamentalmente o marco do reconhecimento e da gratidão de todos nós...  uma vida nos foi ofertada para ser o exemplo da conduta humana. Uma vida cuja fé em seus semelhantes, acabou em sacrifício. Não é fácil dizer não. Não é fácil perguntar o por quê? Não é fácil firmar o pensamento e criar coragem para não desistir de suas próprias convicções. Contudo, talvez, para revolucionar o seu tempo e os corações dos seus contemporâneos, o seu melhor exemplo tenha sido o sacrifício. Um sacrifício que deixou claro ser desnecessário dali para frente - era somente seguir a trilha -, ter uma conduta edificante para com os Outros. Nada mais. Mas, cada contexto histórico tem o seu exemplo de matança, humilhação, usurpação. Muitos outros que seguiram o exemplo do Mestre cristão, também morreram. Não bastou apenas Ele.
O que ficou deste e de outros seres iluminados de todas a religiões e que passaram pela Terra trazendo mensagens positivas foi apenas o conveniente. De lá para cá muitos se disseram cristãos e em nome de Deus torturaram, mataram, expropriaram. Outros, na relações diárias, acendem velas, rezam, fazem promessas e ficam depois a falar mal dos vizinhos, dos colegas de trabalho, daqueles que, porventura, esbarram por acidente nas ruas. Os caridosos plantonistas de Natal que pintam e bordam sobre a alma dos Outros que consideram de alguma maneira "inferior", nesta época, entregam presentes às criancinhas desconhecidas e falam com pesar da pobreza dos desvalidos nas esquinas. E também, sem perceber, deixam escapar que têm vontade de matar a pequenina do apartamento de cima porque ela faz muito barulho ou,  que têm nojo de apertar a mão de um morador de rua. Contraditório, não? Não seria mais cristão buscarmos a paz e a harmonia durante todo o ano, sem magoar ou humilhar ninguém, sem vampirismos, sem invejas, sem ciúmes infantis, respeitando todas as pessoas  como elas são? Seria um presente ou o dinheiro mais caridoso do que o respeito?
Quem não se recorda das indulgências? Quem não quer garantir um pedacinho do Céu? Melhor data não existe para aqueles que acreditam meramente nos "símbolos" e não em seus "exemplos". O símbolo esvaziado de significados de origem não passam de ações mecânicas, sem espírito, sem sentimento real. Neste caso, tornou-se para muitos um marketing pessoal. A caridade pede acima de tudo exemplos construtivos durante todos os dias de nossas vidas. Evitar conflitos, relevar certas situações, orientar a quem precisa de uma palavra, de um pouco de carinho, estar atento para não magoar uma pessoa por conta de nossas vaidades ou até ignorância em relação a um modo de vida. Não é distribuir presentes caros e sem sentido ou divulgar para todos do círculo de convivência o tamanho da sua "bondade" para com os "carentes." Não é discutir o "pobre" como quem acabou de ler uma revista.
Sabemos que hoje estarão postos às mesas das ceias - espancadores de mulheres e / ou homossexuais,  psicopatas de todos os gêneros que tenham escapado às punições de seus atos - por um motivo ou outro. Criaturas que se dizem crentes e pedem a Deus tudo para si: e se esmeram desta falsa fé. 

Gostaria de findar lembrando da Cerimônia do Lava-pés. Jesus - exatamente por saber quem era dentro do seu tempo, compreendeu o teor e o mal das desigualdades. Nunca fez diferença: tratou apenas de mostrar o quanto todos poderiam partilhar o que a vida ofertava para Todos. Se virem alguém precisando que você se ajoelhe, independente de quem for, não tema, Jesus não temeu...


Que este Espírito esteja presente hoje e sempre.

Feliz Natal a todos!


Peço perdão de não poder contactar os 305 seguidores, mas fica a mensagem de que desejo a todos que estão, aos que ainda irão passar e aos que já passaram por aqui muita paz, saúde, felicidades e sucesso na realização dos sonhos!

Fênix

Incluo nestes votos os amigos do Linkedin; 
do diHITT;
do Orkut; 
do Facebook; 
NetworkedBlog;
dos Agregadores; 
muito grata por tudo!

Aos amigos que enviaram mensagem:

Aluísio;
Rosemildo;
Antonio Machado;
Tecas;
Cia Atemporal / Clemente;
vanoska;
Mundo virtual;
Malu;
Pedro e Tais Luso;
Leove;
Stenberga Stone;
Runa...

vocês são encantadores! Muito obrigada pelo carinho e, tenham certeza que estão aqui, dentro de mim e em minhas orações. Saibam que a felicidade de vocês é também a minha, pois devemos amar aos amigos e partilhar o bom e o ruim. Contem com o meu carinho.Boas Festas - um maravilhoso 2012!



quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

No giro da Terra...

São Paulo, 1860, Arquivo DPH

Teia de tecido urbano.
Não sou ponte
Nem meio
Não alcanço horizonte
Só passo e semeio
Sem pressa ou rodeio
Sem ver quem me aponte -
Movimento.

Os caminhos humanos 
Têm outros planos não planificados.
Meu intento -
Não vejo um só lado -
Passo no compasso do que faço...
Meu olhar... muitos significados.
Se por fora vidro, por dentro aço,
Aos mundos todos abraço.








Visitem:










Atenção: para não esquecer...

O Engenholiterarte tem como bem-vindos todos aqueles que pregarem a paz, a tolerância religiosa, a convivência e o compartilhamento cultural frente à diversidade étnica, ao respeito às opções sexuais e de todas as formas de vivência desde que se limitem a não ferir o direito dos Outros de livre escolha, de expressão e impressão acerca do mundo.

Contudo somos intolerantes, SIM:

Não aceitamos posições anti- qualquer religião; posições homofóbicas; racistas; sexistas; não aceitamos a violência nem física, nem a tortura mental, nem nenhuma forma disfarçada dela - seja de cunho "religioso" ou "científico" cujo o fim é sempre o mesmo - discriminar e humilhar o "diferente".


Todos que nos visitarem e que tenham o perfil acima estão convidados a procurar outros locais mais adequados, porque acreditamos que Deus está dentro de cada um de nós a partir do momento em que praticamos o bem e semeamos a paz. Nossas escrituras sagradas estão por dentro e não por fora: lemos em nosso coração e interpretamos em nossa ação. 
Por aqui não temos interesse no sexo dos anjos, nem se são brancos de cabelos cacheados e "belos" dentro do ponto de vista de certa cultura. Não queremos "quantidade" de seguidores e  sim "qualidade".  Não precisam ser doutores, PHDs, exímios poetas, pintores, escritores, famosos, etc. Precisamos de GENTE. O quesito básico é ser HUMANO. Sem ele nenhum título vale NADA e o que temos é um problema de formação e não de mera instrução. Desse modo, agradecemos de antemão tanto aqueles que se encaixam com o NOSSO perfil e que serão sempre bem-vindos, quanto os que passam por aqui e partem levando a própria arrogância (seja ela de qualquer cunho...) em busca de suas "tribos" respectivas - esses já vão tarde.

Aqui não separamos nada: UNIMOS.
Grata.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Fundos tela do Engenho - presente para presentes.


Foto / edição - 'Lila borda" - 2011.






O Escudo.

 " O coração de Cristo 
É infinitamente grande
Para proteger o meu tesouro"

(ao meu filho - que cresça com muita luz, paz e saúde)


Foto /edição - "Róseas", 2011.

 Foto / edição - "Bran1" - 2011




 
 
 Foto / edição - "Dr. Frank" - 2011
 Foto / edição - "Solasepor" - 2011
 
 Como fica:


Este cãozinho lindo se chama Draco.


Devido a um bug no Grub estamos usando o live CD do Ubuntu. Já tentamos em todos os fóruns e blogues a solução. Contudo, a falha no arranque permanece. Trabalhamos normalmente com o Gnome Clássico ( Fallback ) e gostaríamos de continuar, porém, as incompatibilidades na atualização...
Parece que o nosso casamento apaixonado com a distro está acabando. Aceitamos sugestões de outras que se utilizem do Gnome Classic (Fallback) ainda. Gratos.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Agnes Disse...


http://i722.photobucket.com/albums/ww228/mimosdasimone/velas/151026.gif

In: Hybris.

Meu instante aflito...

Estes segundos já perdidos e Eu

Passageira vou num vôo

Planando na vaguidão de um tal Amor

Teu...

Será um buraco negro o caminho para o qual parto?

Terei nele o conforto ou o rompimento do pacto?

Permito que lacres o meu destino, num desatino?

Desafio - negando-te palmas

Rebelde entre as almas que não silenciam os hinos?

Hiato sem respostas, malgrado castigo!

Quem és Deus? Serás ateu?

Menstruarás promessas de vida feito Eu?

Sentirás as fisgadas mortais de um parto

E chorarás, quando do impacto,

O Amém final, o derradeiro adeus?

Perderás para a Vida,

Perderei para a Morte:

Qual de nós será mais forte?

Ou seremos UM no interior do OUTRO,

Teo?

Quem és Deus? Serás ateu?

Partilharás o caos de Zeus?

Estarás em Alá, Jeová ou será dos hebreus?

Não sei o que és...

Só não és “a imagem e semelhança dos homens”

Senão - serias a monotonia do breu.


http://i722.photobucket.com/albums/ww228/mimosdasimone/velas/animation24.gif



O Engenholiterarte tem como bem-vindos todos aqueles que pregarem a paz, a tolerância religiosa, a convivência e o compartilhamento cultural frente à diversidade étnica, ao respeito às opções sexuais e de todas as formas de vivência desde que se limitem a não ferir o direito dos Outros de livre escolha, de expressão e impressão acerca do mundo.

Contudo somos intolerantes, SIM:

Não aceitamos posições anti- qualquer religião; posições homofóbicas; racistas; sexistas; não aceitamos a violência nem física, nem a tortura mental, nem nenhuma forma disfarçada dela - seja de cunho "religioso" ou "científico" cujo o fim é sempre o mesmo - discriminar e humilhar o "diferente".


Todos que nos visitarem e que tenham o perfil acima estão convidados a procurar outros locais mais adequados, porque acreditamos que Deus está dentro de cada um de nós a partir do momento em que praticamos o bem e semeamos a paz. Nossas escrituras sagradas estão por dentro e não por fora: lemos em nosso coração e interpretamos em nossa ação. 
Por aqui não temos interesse no sexo dos anjos, nem se são brancos de cabelos cacheados e "belos" dentro do ponto de vista de certa cultura. Não queremos "quantidade" de seguidores e  sim "qualidade".  Não precisam ser doutores, PHDs, exímios poetas, pintores, escritores, famosos, etc. Precisamos de GENTE. O quesito básico é ser HUMANO. Sem ele nenhum título vale NADA e o que temos é um problema de formação e não de mera instrução. Desse modo, agradecemos de antemão tanto aqueles que se encaixam com o NOSSO perfil e que serão sempre bem-vindos, quanto os que passam por aqui e partem levando a própria arrogância (seja ela de qualquer cunho...) em busca de suas "tribos" respectivas - esses já vão tarde.

Aqui não separamos nada: UNIMOS.

Grata; 

Fênix



Visitem:

http://cantinhodocemagia.blogspot.com/2009/07/lindas-imagens-de-velas-animadas.html ( lindas imagens animadas);

http://www.tusnoticiasdeactualidad.com/;

http://www.manualdomundo.com.br/;

http://www.sitesdobrasil.com/;

http://pintandomusica.blogspot.com/;

http://tudoepossivel-infinitoparticular.blogspot.com/;

http://famousalbumcovers.blogspot.com/;

http://fbmmotos.blogspot.com/.

 
 


sábado, 26 de novembro de 2011

As várias faces da morte

O espelho - foto/edição, 2011,FC.

Será minha
A imagem no espelho?
Eu não tinha 
Esses olhos vermelhos
Enevoados;
Esse coração indivisível
E compactado;
A opacidade da morte
Com o seu dilacerador corte
Previsível.
O Sol irá se pôr para sempre dentro de mim...

Adjetivos.
Passado o verbo -
Perdidos os objetivos -,
O que vejo além do servo
marcado pelos compromissos?
A cela
A tela
Aquela
(des) Ordem homicida.

Minha linha confina.
Se de mim mesma não protege
Não há de se eleger hereges
Ou chorar a cada esquina
Dos tombos
 Dos escombros
Da sina que me assina
As faltas...
Madrugada alta:
O passado não se vive, reconta.

O espelho(PB) - foto/edição, 2011,FC.

visite:


http://www.mixpod.com/playlist/86925250

As várias faces da Vida:









sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Imperfeições


Por dentro de mim
Nos confins da solidão,
Cordão já desfeito é trilha no peito
De um Arlequim:
Desrazão.

Se coleciono frases que repito nos bares
Às mocinhas sedentas de um clichê,
Oculto imperfeições -
E sob as mais fingidas feições -,
Só para confundir os porques.

Perguntas erradas.
Respostas direcionadas.
Escadas que não me elevam ao Céu...
Na Estação Poente descubro-me menos gente:
E como sou, também, o meu Réu.

***

"O mal sobre nós parte primeiro de nós mesmos..."

F.C. ,2011 ( a um amigo).

***

A Fênix - que não é uma lenda longínqua ou uma criação gráfica - está doente. Ela precisa se cuidar um pouquinho mais. Dormir, principalmente. Deste modo, até que tudo volte ao normal diminuiremos o número de postagens, pois aqueles que conhecem o 'Engenho" sabem que há um intenso trabalho de pesquisa por trás de cada uma delas, sendo impensável de outra maneira - a não ser aos oportunistas. Ainda com todo cuidado é possível que se cometa erros e induza a eles - o que é muito pior... preferimos  a prudência às inconveniências. Embora não estejamos livres delas.

Agradecemos aos amigos que votaram na enquete -  aos anônimos e ao Leovi -, que sempre atende com carinho aos nossos convites.


Leiam:

http://mundoestranho.abril.com.br/materia/quem-sao-o-pierro-o-arlequim-e-a-colombina

domingo, 6 de novembro de 2011

Desafio Cinema e os filmes de Engenho...




De todos os gêneros, técnicas, estilos e gostos: esta semana estávamos por aqui meditando na beleza, na poesia e / ou criatividade inteligente de algumas produções cinematográficas e afins. Resolvemos, então, verificar se muitos compartilham da mesma boa experiência em relação a certos filmes, abrindo espaço não só para a votação, como também, para que os demais amigos blogueiros divulguem as suas preferências por meio dos próprios espaços. Lançamos a semente: que todos cuidem e partilhem desse imenso jardim...

E o  Engenho elegeu:

Drama:

1 - Daens: Um grito de Justiça;
2 - O pianista;
3 - Europa Europa;
4 - O Violino Vermelho;
5 - O Nome da Rosa;
6 - Sunshine - um dia de Sol ;
7 - Vidas Secas.

Animação:

1 - Wall E;
2 - Monstros S.A.;
3 - A noiva cadáver;
4 - Robôs;
5 - Monstros e alienígenas;
6 - Uma aventura no Tempo;
7 - A Era do gelo.
Ficção:

1 - O mistério da Libélula;
2 - A espera de um milagre;
3 - O sexto sentido;
4 - A Origem;
5 - Ilha do medo;
6 - Entrevista com o Vampiro;
7 - Alta frequência;

Suspense / terror:

1 - A Cela;
2 - Stigmata ;
3 - Advogado do Diabo;
4 - Psicose;
5 - O sacrifício;
6 - Os pássaros;
7 - Os Outros;

Romance:

1 - O feitiço de Áquila;
2 - Robin Hood - O Príncipe dos ladrões;
3 - Romeu e Julieta;
4 - Ghost - do outro lado da vida;
5 - Orfeu Negro e Orfeu(1999);

Aventura, fantasia, ação:

1 - Série Henry Potter;
2 - Série X Men;
3 - Van Helsing - O caçador de monstros;
4 - A Lenda do Cavaleiro sem cabeça;
5 - Série Guerra nas Estrelas;
6 - Série Piratas do Caribe;
7 - ET - o Extraterrestre;

Comédia:

1 - A Dança dos Vampiros;
2 - Fargo;


Documentário:

1 - Ilha das Flores;
2 - Cronicamente inviável;
3 - Arquitetura da Destruição;

O Desafio Cinema de  Engenho será oferecido a todos amigos que poderão escolher se publicarão ou não todos os gêneros ou se só os mais adequados aos seus espaços; o único pedido é que divulguem este link, votem aqui ao nos visitar e, deixem os seus saberes - cada um no seu espaço... do seu jeito...

A janela para votação está abaixo dos anúncios Adsense.

Um abraço !


*****


Leiam:















segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Nos subterrâneos da Cultura: Lilith - a Lua Negra e os arquétipos do feminino ( última parte)


"'Dirige-te para cá decantado Odisseu, grande glória dos aqueus; detém o teu barco para ouvir-nos cantar'" 
(Homero, Odisséia)

Relata o herói mítico - Ulisses -, acerca do belo canto das sereias. Seu coração desejava ouvi-las. Contudo, a astúcia  garantiu que seus pedidos para que os companheiros o soltassem das cordas não fossem atendidos: antes, todos tiveram protegidos os ouvidos com cera e, desafiando o poder sedutor das criaturas, preso ao mastro, deu-se ao prazer dessa inesquecível experiência. Distante do perigo, os homens livraram-se da cera e, ele das cordas...(01)

Os instintos de sobrevivência e o de conservação humanos têm origens comuns no medo daquilo que se revela desconhecido, imprevisível, inexplicável, como a destruição e a morte.  Do estado de tensão e angústia é gerado uma espécie de autodefesa egocêntrica em que se elege a Outro diferente, como um ser hostil, perigoso, negativo, que deve ser dominado (02) ou destruído. Num artigo magnífico, Olgária Matos, partindo de um trabalho de Adorno e Horkheimer, nos forneceu um precioso material para o entendimento desse trecho do mito e do nascimento da razão. A autora convergiu com as ideias apresentadas pelos autores supra citados, de que "tanto a mitologia quanto o iluminismo filosófico e científico (sécs. XVII e XVIII) encontraram suas raízes nas necessidades básicas: sobrevivência, auto-conservação e medo"(03). As aventuras de Ulisses foram tomadas como mito exemplar para explicar tal ponto de confluência:
" A Odisséia revela os poderes celebrados no poema, suas relações de dominação e a exploração; mostra como, desde o início do pensamento ocidental, a luta pela auto-conservação e autonomia se vinculou ao sacrifício, à repressão, à renúncia (04)".
Ulisses luta contra si para vencer as sereias que, nada mais são, do que a representação dos seus desejos ou instintos naturais. Expondo de um outro modo, utilizando-se da razão, ele condena o desejo porque as paixões que dele emanam perturbam a ordem do pensamento racional (05).

" A passagem da natureza para a cultura se faz pela prática da renúncia (06)."

Logra-se a natureza e reforça- se o eu como norma para auto conservação. 
Ao penetrar nos segredos da natureza para explicá-la racionalmente, o homem tem que exercer constante vigilância sobre si(07).

" A viagem de Ulisses é a viagem metafórica que a humanidade precisou realizar para efetuar a passagem da natureza à cultura, do instinto à sociedade, da auto-repressão ao auto desenvolvimento. O eu homérico que distingue as forças obscuras e a civilização expressa o medo original da humanidade diante do outro. O ato sacrificial repetido organiza a identidade do sujeito com as forças da natureza, a fim de lhe permitir purificar-se da natureza interior da própria humanidade. A substituição que ocorre no sacrifício não deve ser separada da divinização do sacrificado (08)..."

A parte da humanidade masculina rompeu com o natural e se presenteou com o poder. Para mantê-lo era preciso agir racionalmente e como a racionalidade exige regras para estabelecer o auto controle, de acordo com Matos, somente o astucioso poderia conhecer e sobreviver aos riscos(09).

" As sereias simbolizam muito do que nas mulheres é atraente e temível para os homens (10)."

A Melancolia de Ulisses subsiste de uma renúncia cujo objeto continua sendo desejado e que cuja privação, graças a repressão de seus instintos, o faz simultaneamente triunfar e fracassar: torna-se racional e melancólico, pois, a renúncia convertida em autonomia - o auto sacrifício da natureza interior a fim de manter o controle das coisas - traz uma perda para o próprio eu (11).
O mito de Ulisses nos é importante porque nos fala de uma transição. Quanto mais o homem se racionalizava, mais se afastava de tudo que lhe parecia ligado à natureza. A mulher, como parte evidente desse domínio (12) também passou por esse raciocínio tornando-se um peso, um problema que emperrava o desenvolvimento da história masculina, entretanto, necessária. Desprezada e inferiorizada, o estigma transcendeu tempos e espaços apartando as mulheres "respeitáveis" do mundo social. Atitude, inteligência, proposição: coisas de homem. Submissão, aceitação, silêncio... claro, coisas de mulher. Mulheres com comportamentos diferentes sempre foram mal faladas. Liliths insubmissas à ação egocêntrica do outro -  Antes uma atitude política do que meramente sexual (13).

...Adão e o Criador não poderiam admitir a audácia, a perda do controle sobre a primeira mulher. 

A Lilith hebraica transfigurada nas diversas figuras que a seguiriam dividiu a imagem com outras típicas faces pecadoras. Estereótipos. Das mais horripilantes às mais magníficas e traidoras "bruxas", o sangue ferveu nas fogueiras e não se  purificou pecados... aqueles que as condenaram pela diferença permaneceram vivos, queimando dentro do inferno de suas próprias consciências...

... e assim a história continua, revelada pelo número crescente de espancadores e assassinos, invocando "ciúmes", "honra" e "posse".

Notas
(01) Homero. Odisséia, p.145;
(02) Matos. Olgária, p.142;
(03) Ibid,p.141;
(04) Ibid,p. 147;
(05) Ibid,p. 142;
(06) Ibid,p. 144;
(07) Ibid,p. 147,148;
(08) Ibid,p. 145 - grifo meu;
(09) Ibid,p. 143;
(10) Ibid,p. 144;
(11) Ibid,p. 149,153,154;
(12) A menstruação, gravidez, enfim, os ciclos marcados que enfrenta no decorrer da vida.
(13) "Por que devo deitar-me embaixo de ti (...)"  - citado em SICUTERI, p.35


Bibliografia

MATOS. Olgária. A melancolia de Ulisses: a dialética do Iluminismo e o canto das    sereias. In: Os Sentidos da Paixão, Funarte, Cia das Letras, SP, 1987.

SICUTERI. Roberto. Lilith: A Lua Negra. Editora Paz e Terra. Série Psicologia, R.J., 1986.


Feliz dia das Bruxas para todas aquelas que têm coragem 
de começar de novo...

E um grande beijo para os homens que não têm medo do Lado Negro da Lua.


Related Posts with Thumbnails

Google+ Followers

FaceMundo